Festival atrai visitantes de outros estados

O segundo dia da 3ª edição do Festival da Pamonha, que é realizado nesta semana pela Prefeitura de Cuiabá na comunidade Rio dos Peixes, localizada no km 23 da Rodovia Emanuel Pinheiro, atraiu visitantes de outros estados brasileiros, trazendo um incremento a mais aos mais de 30 expositores que participam do evento, em alusão ao  aniversário de 303 anos de Cuiabá. A programação segue até o próximo domingo (24). 

As festividades tiveram início nesta quinta-feira (21) e estão sendo coordenadas pela Secretaria Municipal de Turismo, retomando as atividades em grande estilo, após uma suspensão de dois anos (2020 e 2021), em decorrência da pandemia da Covid-19. 

A  expectativa para este ano, durante os quatro dias de evento, é comercializar mais de 25 toneladas de milho por meio de seus derivados, como por exemplo, a pamonha, curau, bolos, doces, entre outras iguarias, com mais de dez sabores, atendendo a diversos paladares. 

Moradora da cidade de Jataí-GO, Vânia dos Santos afirmou que veio até a capital mato-grossense para visitar uma amiga e ao chegar aqui logo recebeu o convite para prestigiar o festival, classificado por ela como satisfatório. “Está tudo muito lindo, uma delícia as comidas, estão de parabéns. Minha amiga que conheço faz tempo e a família dela estão aqui comigo e toda minha família também, aproveitando bastante a viagem”, comentou. 

Estreante, a vendedora Maristelma da Silva teceu elogios à organização da feira, pontuando abertura de mais essa oportunidade de ganhar uma renda extra. “É a primeira vez que eu estou aqui. Estou muito feliz, está sendo um sucesso, nos ajudando muito a ganhar um dinheiro a mais e pretendo continuar”, disse. 

Acompanhante fiel das três edições, Wlademir Monteiro destacou que não abre mão de estar presente, tendo em vista o gosto peculiar de sua família com alimento tradicional. “Sempre reunimos a família e trazemos todo mundo para prestigiar o evento. Gostamos muito do milho e estamos aqui desde a primeira vez, parada obrigatória antes de chegar em Chapada dos Guimarães”, frisou. 

O produtor de pamonha e curau, José Célio dos Santos salientou que os benefícios angariados pelo festival não se limitam apenas aos empreendedores, o evento é visto como um grande ensejo de fomento à inclusão social e valorização cultural. “A nossa expectativa é melhorar cada vez mais para receber toda a população e as apresentações também”, acrescentou. 

A primeira edição do Festival da Pamonha foi realizada em 2018, alcançando a marca de quatro toneladas de milho vendidas. Já em 2019, esse número subiu expressivamente para 11 toneladas.  Já em 2022, a meta é alcançar mais de 25 toneladas comercializadas.

Fonte: Folhamax